Duas objeções ao celibato sacerdotal
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Duas objeções ao celibato sacerdotal
Redação - 2011/05/05

D Mauro Piacenza..jpgNão devemos nos deixar condicionar ou intimidar por quem não compreende o celibato sacerdotal. Pelo contrário, devemos recuperar a fundamentada consciência de que ele desafia a mentalidade do mundo.

Cardeal Mauro Piacenza
Prefeito da Congregação para o Clero

Resíduo pré-conciliar e mera lei eclesiástica. São estas, em síntese, as principais e mais perniciosas objeções que surgem no periódico reacender-se do debate sobre o celibato sacerdotal. No entanto, nada disso tem fundamento real, tanto se considerarmos os documentos do Concílio Vaticano II, quanto se nos ativermos ao Magistério pontifício: o celibato é um dom do Senhor que o sacerdote é chamado a acolher livremente e a viver em plenitude.

Radical continuidade no Magistério pré e pós conciliar

De fato, examinando os textos, nota-se, acima de tudo, a radical continuidade entre o Magistério anterior e o posterior ao Concílio. Mesmo com acentos por vezes sensivelmente diferentes, o ensinamento papal das últimas décadas, de Pio XI a Bento XVI, é unânime em fundar o celibato sobre a realidade teológica do sacerdócio ministerial, sobre a configuração ontológica e sacramental ao Senhor, sobre a participação no seu único sacerdócio e sobre a imitatio Christi que isso implica. Somente, portanto, uma incorreta hermenêutica dos textos do Vaticano II - começando pela Presbyterorum ordinis - poderia levar a ver no celibato um resíduo do passado do qual liberar-se. E essa posição, além de histórica, teológica e doutrinariamente errada, é nociva inclusive do ponto de vista espiritual, pastoral, missionário e vocacional.

Exigência intrínseca da configuração a Cristo

À luz do Magistério pontifício, é preciso também superar a redução, muito difundida em certos ambientes, do celibato a uma mera lei eclesiástica. De fato, é uma lei somente por ser uma exigência intrínseca do sacerdócio e da configuração a Cristo, que o Sacramento da Ordem determina.

Nesse sentido, a formação para o celibato, além de qualquer outro aspecto humano e espiritual, deve incluir uma sólida dimensão doutrinária, porque não se pode viver aquilo cuja razão não se compreende.

Enriquecimento positivo do sacerdócio

Em todo caso, o debate sobre o celibato, que se reacende periodicamente ao longo dos séculos, certamente não favorece a serenidade das jovens gerações no compreender um elemento tão determinante da vida sacerdotal.

João Paulo II, na Pastores dabo vobis (n.29), reportando-se ao voto da assembleia sinodal, afirma: "O Sínodo não quer deixar dúvidas na mente de ninguém sobre a firme vontade da Igreja de manter a lei que exige o celibato livremente escolhido e perpétuo para os candidatos à ordenação sacerdotal no rito latino. O Sínodo solicita que o celibato seja apresentado e explicado na sua plena riqueza bíblica, teológica e espiritual, como dom precioso de Deus à sua Igreja e como sinal do Reino que não é deste mundo, sinal também do amor de Deus a este mundo e ainda do amor indiviso do sacerdote a Deus e ao seu povo, de modo que o celibato seja visto como enriquecimento positivo do sacerdócio".

Não podemos baixar o nível da proposta da fé

O celibato é questão de radicalidade evangélica. Pobreza, castidade e obediência não são conselhos reservados de modo exclusivo aos religiosos. São virtudes para serem vividas com intensa paixão missionária.

Não podemos baixar o nível da formação e, sobretudo, da proposta de fé. Não podemos frustrar o povo santo de Deus, que espera pastores santos como o Cura d'Ars. Devemos ser radicais na sequela Christi, sem temer a diminuição do número de clérigos. De fato, tal número decresce quando baixa a temperatura da fé, porque as vocações são "trabalho" divino e não humano. Elas seguem a lógica divina, a qual é insensatez aos olhos humanos.

Umas das mais eficazes vias para superar a secularização

Dou-me conta, obviamente, de que num mundo secularizado é cada vez mais difícil compreender as razões do celibato. Mas, como Igreja, devemos ter a coragem de nos perguntar se tencionamos nos resignar a esta situação, aceitando como inevitável
a progressiva secularização das sociedades e das culturas, ou se estamospreparados para uma obra de nova evangelização profunda e real, a serviço do Evangelho, e por isso, da verdade sobre o homem.

Acho, neste sentido, que o fundamentado apoio ao celibato e sua adequada valorização na Igreja e no mundo possam representar algumas das vias mais eficazes para superar a secularização.

Centralidade da dimensão ontológica e sacramental

A raiz teológica do celibato pode, pois, ser encontrada na nova identidade dada àquele que é honrado com o Sacramento da Ordem.

A centralidade da dimensão ontológica e sacramental, e a consequente estrutural dimensão eucarística do sacerdócio, representam os âmbitos de compreensão, desenvolvimento e fidelidade existencial ao celibato. A questão, portanto, diz respeito à qualidade da fé. Uma comunidade que não tenha em grande estima o celibato, qual expectativa do Reino ou qual tensão eucarística poderá viver?

Não devemos, pois, nos deixar condicionar ou intimidar por quem não compreende o celibato e quereria modificar a disciplina eclesiástica, ao menos abrindo fissuras. Pelo contrário, devemos recuperar a fundamentada consciência de que nosso celibato desafia a mentalidade do mundo, colocando em crise seu secularismo e seu agnosticismo e bradando, nos séculos, que Deus existe e está presente.

(L'Osservatore Romano, 23/3/2011- Tradução: Arautos do Evangelho)
(Revista Arautos do Evangelho, Maio/2011, n. 113, p. 36-37)

 

Votar Resultado 4  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.